Confira a entrevista traduzida!
http://www.themainebrasil.com/wp-includes/js/tinymce/plugins/wordpress/img/trans.gif
The Maine é uma banda composta por cinco membros de Tempe, Arizona. A banda não para desde o ano passado, com dois álbuns lançados (Forever Halloween e Imaginary Numbers EP); várias turnês, incluindo a turnê acústica na América do Norte, e se preparando para o lançamento do seu DVD acústico. Recentemente, eu tive a sorte de discutir sobre a banda e a sua música com o guitarrista, Kennedy Brock.

1. Como você descreveria a música da banda para alguém que nunca ouviu falar do The Maine?
K: Honestamente, rock and roll. Nós nos divertimos muito tocando juntos e isso é algo que esperamos que vocês possam sentir na música.

2. Vocês vão tocar na Vans Warped Tour nesse verão pela primeira vez desde 2009. Como vocês se sentem a respeito disso, e tem algo que os fãs possam esperar?
K: Eu estou extremamente empolgado em voltar a Vans Warped Tour! Já faz um tempo mas eu não esqueci o quão divertida essa turnê é. Eu mal posso esperar para encontrar vários dos nossos bons amigos e fazer novos também. Os fãs podem esperar por muito entusiasmo vindo de nós esse ano, tanto no palco como fora dele.

3. Vocês recentemente encerraram a turnê acústica na América do Norte. Como esses shows diferem dos usuais?
K: Os shows acústicos pareceram muito íntimos. Eu amei poder interagir com os nossos fãs e também gostei do aspecto narrativo deles. Foi algo realmente novo para o público que já nos viu ao vivo várias vezes.

4. Vocês anunciaram que vão lançar um DVD acústico. O que os fãs podem esperar ver e você tem alguma previsão da data de lançamento?
K: Eu não quero dar muitos detalhes. Nós gravamos um dos shows da nossa turnê acústica e temos alguns vídeos extras também. Será uma vibe totalmente diferente dos nossos shows regulares.

5. O som de vocês cresceu e mudou muito desde o primeiro cd da banda. Você acha que vocês estão finalmente começando a aprimorar o som do The Maine até chegar exatamente ao que vocês queriam?
K: Eu não sei se é exatamente sobre nos aprimorar em um som específico. Nós estamos apenas continuando a expandir o nosso gosto musical coletivo.

6. Vocês tiveram muito mais liberdade para fazerem o que desejassem com a sua música desde que saíram da sua antiga gravadora e criaram a 8123. Você sente que essa liberdade permitiu a vocês criar um som que anteriormente vocês não puderam?
K: Com certeza, agora a nossa palavra é a última. Muitas das nossas ideias são espontâneas, sinceras. Nós sentimos que essa foi uma oportunidade para criarmos tudo o que nós podemos imaginar.

7. Como é o processo de composição?
K: Coletivamente, nós tentamos esculpir as ideias que saem da cabeça do John [O’Callaghan].

8. Qual a mensagem que vocês querem passar aos seus fãs através da sua música?
K: Cada pessoa é tão perdida quanto a próxima pessoa. Mas se estamos perdidos, ao menos estamos juntos. Essa banda criou uma família que continua a crescer e prosperar. Eu sou muito grato por fazer parte disso (

9. Vocês tem uma das fanbases mais leais dentre todas as bandas no cenário do rock atual. A que vocês atribuem isso?
K: Ao amor pela música. Nós amamos isso tanto quanto os nossos fãs. Nós tentamos recompensa-los de todas as formas possíveis. É um relacionamento mútuo.

10. Vocês estão trabalhando em alguma coisa nova?
K: Sim, nós temos algumas músicas que não foram finalizadas durante o processo de gravação do Pioneer e Forever Halloween as quais demos uma segunda chance. Elas serão utilizadas no nosso próximo lançamento, uma versão deluxe do Forever Halloween.

11. Última pergunta (não se preocupe, essa é divertida): Qual é a sua música favorita pra um karaokê?
K: I Want To Dance With Somebody – Whitney Houston